Acompanhe-nos nas redes sociais:

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon

© 2018 por Angius

Horário de Funcionamento

Seg - Sex: 08:00 - 20:00

Endereço:

SHIS QI 9, Conjunto 18, Sala 307. Centro Clínico do Lago. Lago Sul, Brasília-DF

 

Mapa:

 

Qual meia elástica escolher?

Atualizado: 1 de Set de 2019



Com tantos modelos de meias elásticas, bate aquela dúvida: meias elásticas são todas iguais? Quais detalhes preciso me atentar para comprar uma meia elástica? Precisa de receita médica?






Veja algumas situações específicas:



Viagem prolongada

Indicada meia elástica de compressão graduada Classe 1, ou seja 18-20mmHg, altura suficiente 3/4. O objetivo aqui é prevenção de trombose venosa profunda e edema. Saiba mais no post.


Varizes

Para a prevenção do edema em paciente com doença varicosa, é indicado o uso meias elásticas de compressão classe 2, de 20-30mmHg, porém em fases iniciais pode-se usar meias elásticas de compressão classe 1, de 18-20mmHg.


Já nos casos mais avançados, com aparecimento de dermatite ocre e risco de úlcera venosa, pode ser necessário o uso de meias compressivas classe 3, de 30-40mmHg.


Úlcera venosa

Para o paciente que tem doença venosa avançada, com presença de úlcera venosa, seja em decorrência de varizes ou de complicação após uma trombose venosa, a indicação de terapia compressiva é mandatória (alto grau de recomendação, alto grau de evidência), ou seja, tem que fazer! Tanto para cicatrização da ferida quanto para evitar recorrência.

Para a cicatrização da ferida, temos mais indicado compressão inelástica com bandagens multicamadas, o uso de dispositivos com velcro, ou compressão elástica de Classe 3, 30-40mmhg.


Para evitar recorrência, temos indicado compressão elástica de Classe 3, 30-40mmHg.


Pós-Cirurgia de varizes

O emprego de terapia de compressão após os procedimentos no território venoso (cirurgia, termoablação ou Escleroterapia de veias calibrosas) se mostrou eficaz no alívio de dor ou desconforto, minimizar o edema pós procedimento, diminuir a incidência de complicações como hematomas e TVP além de encurtar o tempo de retorno as atividades habituais.


O tempo e a extensão da compressão ainda são alvo de estudos para melhor definição, mas a diretriz da SBACV recomenda compressões acima de 20mmHg.


Pós-escleroterapia

Ainda não há um consenso sobre qual o tipo de compressão mais indicado. Porém o consenso Europeu orienta tanto o uso de meia elástica de compressão grau 2, de 20-30mmHg, quando bandagens.


Linfedema

Como um dos grandes pilares do tratamento, a terapia compressiva no linfedema é um pouco mais complexa.


Na fase inicial do tratamento, a terapia compressiva inelástica com bandagens multicamadas ou dispositivos de velcro são a chave para o sucesso da terapia, podendo serem utilizadas as meias elásticas em alguns casos.


Na fase de manutenção, usarmos meias compressivas classe 1 a 3. entre 3/4 a 7/8 também vai variar a depender da apresentação clínica do linfedema.


Varizes e gravidez

Nos segundo e terceiros trimestres de gravidez, o útero aumentado pode comprimir a veia cava inferior no abdome, atrapalhando a circulação de retorno, o que pode causar inchaço e dores nas pernas. O modelo de meia calça existe em praticamente todas as marcas e é indicado nesse caso, com uma compressão classe 2, de 20-30mmHg.


Corrida

O uso de meias elásticas de compressão classe 2, de 20-30mmHg, está associado a diversos benefícios, como otimização da circulação venosa e linfática, redução do edema e diminuição da fadiga muscular.


Quer saber mais sobre meias elásticas? Acesse nossas postagens sobre o tema.



E a pergunta clássica: precisa de receita médica?


Não precisa. No entanto, como puderam perceber, com tantas indicações e classes e tipos de compressões é importante a consulta prévia com o angiologista para a melhor decisão.





Referências:
  • E Rabe, FX Breu, A Cavezzi, et al. European guidelines for sclerotherapy in chronic venous disorders. Phlebology, 2014, Vol. 29(6) 338–354

  • Management of venous leg ulcers: Clinical practice guidelines of the Society for Vascular Surgery and the American Venous Forum, J Vasc Surg 2014;60:3S-59S

  • Projeto Diretrizes SBACV . INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. Elaboração final: novembro de 2015

  • BEST PRACTICE FOR THE MANAGEMENT OF LYMPHOEDEMA. INTERNATIONAL CONSENSUS. Published by Medical Education Partnership (MEP) Ltd 53 Hargrave Road London N19 5SH, UK.

  • Ganzit G, Moretti M, Arpaia G. Effect of knee-length elastic graduated compression stockings on aerobic performance in athletes. Med Sport (Roma). 2007;60(4):567– 573.

  • Guyatt L 1 , Gutterman D , Baumann MH. Grading Strength of Recommendations and Quality of Evidence in Clinical Guidelines. Chest Journal. January 2006Volume 129, Issue 1, Pages 174–181.






Dra Karolina Frauzino (CRM 18729) é membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV)

com Título de Especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular